Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
Portal UFRRJ > INSTITUCIONAL > Notícia > Transparência e praticidade na execução e tramitação dos processos públicos

Transparência e praticidade na execução e tramitação dos processos públicos

Roberto Rodrigues ressalta que a plataforma eletrônica vai trazer mais agilidade na tramitação de processos

Em busca de uma Rural Sustentável, a primeira grande ação com que podemos contribuir é a utilização de documentos administrativos no formato digital na web. Com isso, economizamos energia, papel e agilizamos os processos.

Na UFRRJ, desde o dia 26 de junho de 2017, todos os processos cadastrados no Sipac precisam ser despachados eletronicamente. O pró-reitor de Planejamento, Avaliação e Desenvolvimento Institucional Roberto Rodrigues explica o Processo Eletrônico Nacional em implantação na Universidade e avalia a importância dessa ação para as instituições públicas.

Atualização em 22/01/2018: o prazo para tramitação dos processos apenas na forma eletrônica foi ampliado para o segundo semestre de 2018.

 

Você pode explicar quais os principais objetivos do Processo Eletrônico Nacional?

 

Roberto Rodrigues — O Processo Eletrônico Nacional (PEN) tem como objetivo construir uma infraestrutura pública de processos e documentos administrativos na forma eletrônica. A entrada das autarquias administrativas implicará em melhorias de desempenho na tramitação dos processos administrativos no setor público como um todo e, em especial, na UFRRJ. A expectativa do Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão (MPOG) é que a implantação do PEN traga maior agilidade, produtividade, transparência, satisfação do usuário e redução de custos na tramitação e publicidade dos processos administrativos.

 

Que vantagens a implantação desse programa traz para as instituições públicas?

 

RR — De acordo com o MPOG, algumas das vantagens do PEN são que os processos estarão 100% na Web e podem ser acessados por meio dos principais navegadores do mercado, por diversos tipos de equipamentos e sistemas operacionais. Isso possibilita mais transparência no serviço público e praticidade na execução, tramitação e acompanhamento dos processos para os servidores. Todos os processos públicos terão acesso disponibilizado a qualquer momento e em tempo real na plataforma do PEN. Os órgãos de controle poderão acessar com mais facilidade todas as informações do processo. A praticidade para os servidores públicos está ligada à mudança na forma como alimentamos o processo, que poderá ser instruído a qualquer momento, sem necessidade de esperar a chegada do processo físico na unidade. Com isso, a tramitação se torna mais rápida.

 

Como o projeto está se desenvolvendo na Rural? Existe um prazo para essa implantação total?

 

RR — Para que o processo administrativo se torne eletrônico e público é necessário que a instituição federal tenha um sistema para captar estas informações e, depois, disponibilizar para o MPOG colocar na base de dados do PEN. A UFRRJ optou por utilizar o nosso Sistema Integrado de Gestão (SIG) no módulo Sistema Integrado de Patrimônio, Administração e Contratos (Sipac) para transferir as informações dos nossos processos para a base do PEN. Nesse momento, a tramitação dos processos ainda ocorre tanto na plataforma digital quanto fisicamente, mas o prazo para que os processos sejam tramitados somente na forma eletrônica é 16 de outubro de 2017. Entretanto, antes desta data, a Rural solicitará ao Ministério do Planejamento que a nossa base de processos eletrônicos no SIG seja disponibilizada no PEN. A inclusão da Rural e de todas as outras instituições federais no Processo Eletrônico responde ao decreto Presidencial nº 8.539, de 8 de outubro de 2015, que estabelece o prazo de dois anos para que todas as unidades estejam inseridas no PEN.

 

Que dificuldades a Propladi tem encontrado para realizar o PEN? O que os servidores e a Administração Central precisam fazer para agilizar o projeto?

 

RR — A implantação do SIG na UFRRJ representa, ao mesmo tempo, uma unificação dos procedimentos administrativos e acadêmicos de toda a instituição em um único sistema e a necessidade de responder ao decreto presidencial de utilização do PEN. Nossa maior dificuldade é que todos os setores administrativos e acadêmicos entendam a necessidade do uso do SIG e, principalmente, do módulo Sipac. Entendemos que se trata de uma mudança de procedimentos e estamos trabalhando sempre com prazos pré-estabelecidos antes da implantação de qualquer novidade no sistema. Por isso, é necessário que a Administração Central dê todo o suporte à comunidade universitária nas fases de implantação do SIG e que os servidores da instituição se adaptem aos novos procedimentos. Mas sabemos que esse processo ocorre no médio prazo. Sendo assim, é necessário que todos entendam o período que a UFRRJ está vivenciando: um processo de renovação tecnológica, assim como seus processos de trabalho. Com toda essa inserção ao cenário tecnológico, o PEN se torna uma necessidade, uma vez que estamos atendendo a legislação para que haja unificação dos processos em um sistema eletrônico único.

 

Por Alessandra de Carvalho (CCS/UFRRJ)

 

Publicado originalmente no Rural Semanal 10/2017.


Postado em 20/07/2017 - 13:41

Notícias Relacionadas

Docente do DEDH fala sobre os rumos da Educação Superior no Canal Futura

Professora Karine Vargas faz balanço das ações na Flona Mário Xavier

Aquífero ameaçado

Cortes no orçamento federal também atingem UFRRJ

Professora da UFRRJ comenta casos de violência em escolas

Últimas Notícias