Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
Filter by Categories
A PROEXT
Acesso Rápido RE
Acesso Rápido RU
Ações de Extensão
Almoço
Alojamento e Convivência
ASSUNTOS ADMINSTRATIVOS
ASSUNTOS ESTUDANTIS
ASSUNTOS FINANCEIROS
Atualizações do Diário Oficial
Auditórias Anuais
Banco de Legislação - Financeiro
Bolsas Assuntos Estudantis
Caderno Extensão
Calendário
Câmara de Extensão
Cantinas
Cardápio do Restaurante Universitário
Carga Horária Diretrizes Curriculares
Centro de Memória
Clipping
COAP
Como Chegar
Como Chegar
Como Chegar
Como Chegar
Como Chegar Graduação
Composição Câmara de Graduação
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Concursos
Contrato de Obras
Coordenações de Curso
CORIN
CPPD
Cursos de Pós-Graduação
DAC
DCF
DEL
Deliberações - CPPD
Deliberações CEPE Calendários
Deliberações COAP
Desenvolvimento Institucional
Desjejum
DGCC
Diretrizes Curriculares Nacionais
Diretrizes Gerais
DLI
Documentos Fórum das Coordenações
DPPEx
DRCI
Dúvidas Financeiro
Dúvidas Frequentes RE
Dúvidas Frequentes RU
Dúvidas Monitoria Graduação
Editais
Editais
Editais
Editais
Editais
Editais - Fluxo contínuo
Editais Corin
Editais em Aberto
Editais em Andamento
Editais Fechado
Empresas Juniores
Equipamentos Multiusuários
Equipe
Equipe
Equipe
Equipe
Equipe
Equipe
Equipe e Contatos
Espaços Físicos Comerciais
Eventos
Eventos Servidor
EXTENSÃO
Extratos de Convênio
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco Imprensa
Fale Conosco PROPLADI
Finanças DCF
Formulário Cursos
Formulários - CPPD
Formulários Acadêmicos
Formulários Câmara de Graduação
Formulários COAP
Formulários Cursos Extensão
Formulários DCF
Formulários DP
Formulários Equipe de Trabalho Extensão
Formulários Eventos Extensão
Formulários Monitoria Graduação
Formulários NAAP
Formulários PICDT
Formulários Prefeitura
Formulários Prestação de Contas
Formulários Prestação de Serviços Extensão
Formulários Programas Extensão
Formulários Projetos Extensão
Formulários Publicação Extensão
Formulários STA
Glossário
GRADUAÇÃO
Grupo de Estudo
Grupos PET
Informações para cadastro
informes Mobilidade Acadêmica Intra-campi
Informes Parfor
Iniciação Científica
INSTITUCIONAL
Jantar
Jornal da Graduação
Laboratórios
Lato Sensu
Legislação NULEP
Legislação Ouvidoria
Lei Orçamentária Anual
Leis - CPPD
Links
Links
Links Extensão
Links PARFOR
Links Pós-Graduação
Links úteis
Links úteis NULEP
Links Úteis Servidor
Logotipos
Manuais NULEP
Mão de Obra Terceirizada
Militantes
MOBILIDADE INTRA-CAMPI
MOBILIDADE NACIONAL
Normas
Normas Curso
Normas de Extensão
Normas Financeiro
Notícia
Notícia Destaque
Noticia Pós-Graduação
Notícias
Notícias
Notícias
Notícias Assuntos Estudantis
Notícias CPPD
Notícias da Extensão
Notícias de Cantinas e Espaços Físicos
Notícias Graduação
Notícias Orçamento e Finanças
Notícias Prefeitura
Notícias Rural Semanal
Notícias Servidor
Notícias Terceirizados
Ouvidora
Ouvidoria
PARFOR
PET
Planejamento Institucional
Portal do Serividor
Portarias
Portarias Financeiro
PÓS-GRADUAÇÃO
Práticas Específicas
Pré-Enem Nova Iguaçu
Pré-Enem Seropédica
Prefeitura
Prestação de Contas
Principais Orientações - Coaaf
Principais Orientações - Coapen
Principais Orientações - Cocad
Principais Orientações - Copag
Pró-Reitor Adjunto de Assuntos Adminstrativos
Pró-reitor Adjunto de Assuntos Financeiros
Pró-Reitor Adjunto PROPLADI
Pró-Reitor de Assuntos Administrativos
Pró-reitor de Assuntos Financeiros
Pró-Reitor PROPLADI
Pró-Reitor(a) Adjunto de Assuntos Estudantis
Pró-Reitor(a) Adjunto de Extensão
Pró-Reitor(a) Adjunto de Graduação
Pró-reitor(a) Adjunto de Pesquisa e Pós Graduação
Pró-Reitor(a) de Assuntos Estudantis
Pró-Reitor(a) de Extensão
Pró-Reitor(a) de Graduação
Pró-Reitor(a) de Pesquisa e Pós Graduação
Processo Seletivo Mobilidade Acadêmica Nacional
Processo Seletivo PARFOR
Processo Seletivo PET
PROEXT
Programas
Programas
Projetos encerrados
Projetos vigentes
PROPLADI
Publicações
Publicações Graduação
Quadro de Vagas
Regional ou Cultural
Regulamentos e Regimentos
Reitor
Relatórios DCF
Relatórios de Gestão
Religioso ou Ecumênico
Revista Extensão
Rural Semanal
Secretaria Administrativa
Secretaria de Registros Acadêmicos - Solicitações
Secretaria Ouvidoria
Sem categoria
SEMEX
Serviços gerais
Servidor na Mídia
Stricto Sensu
Terceirizados
Transparência e Prestação de Contas
Treinamentos e Palestras Financeiro
UFRRJ Ciência
Vice-Reitor
Vídeos Imprensa
Portal UFRRJ > EXTENSÃO > Notícias da Extensão > Escola Popular de Artes da UFRRJ prepara retorno presencial

Escola Popular de Artes da UFRRJ prepara retorno presencial

Inscrições para os cursos começam nesta quinta-feira (30/6)

Além dos saberes tradicionais, a Universidade é um espaço rodeado por conhecimentos das mais diversas áreas – música, teatro, dança, literatura, poesia, artes visuais e plásticas são algumas das inúmeras possibilidades. Nesse sentido, o projeto de extensão intitulado Escola Popular de Artes (EPA), que é sediado no câmpus Nova Iguaçu (IM/UFRRJ), oferece atividades artísticas e culturais gratuitas aos públicos interno e externo da Rural. As inscrições para as novas turmas presenciais e online começam nesta quinta-feira (30/6) e podem ser feitas pelo formulário eletrônico clicando aqui.

Com o retorno da Universidade ao ensino presencial, a Escola vive o momento de readaptação para a atuação de corpo presente. O coordenador do projeto, Bruno Borja, comentou sobre a expectativa da equipe ao planejar essa mudança. “Estamos muito felizes de poder desenvolver essas atividades presenciais e movimentar a Universidade, que está precisando de vida nesse momento”, declarou.

Durante o mês de junho, a EPA passou pelo processo de formação de oficineiros. Neste novo ciclo serão ministradas oficinas de criação artística em artes visuais, costura criativa, fotografia, alongamento, horta, poesia, literatura, entre outras. As informações detalhadas do projeto podem ser encontradas no Instagram da EPA, @escolapopulardeartes.  

Para Bruno Borja, o processo de formar arte educadores é um dos mais importantes do projeto. “Enquanto uma escola de arte, é importante não só formar, oferecer cursos e oficinas de formação artística e cultural para a população em geral, mas também formar arte educadores dentro da universidade”, afirmou.

O poeta e professor da Rural entende também que a arte e a educação popular oferecidas pela EPA são instrumentos fundamentais para estabelecer contato com a população em geral e para desenvolver a extensão na sua plenitude, com troca permanente entre Universidade e comunidade.

Equipe da Escola Popular de Artes (EPA)

Período remoto: desafios e potencialidades

Criada em 2019, a EPA iniciou suas atividades de maneira presencial, mas, por conta da pandemia de Covid-19, começou a desenvolver seus cursos e oficinas de forma remota através de plataformas digitais como YouTube, Google Meet e Instagram, em 2020. Nesse período, o projeto ofertou 49 oficinas e alcançou mais de 1.500 inscritos – quando foi possível atingir um número maior de pessoas, sem empecilhos de locomoção e geográficos.

Apesar de dificuldades em relação a equipamento e conexão, o período de aulas online permitiu que a EPA expandisse ainda mais seu público. O antigo coordenador do projeto, Nikolas Bigler, contou que o ensino remoto permitiu que a EPA saísse ainda mais dos muros da Universidade – colocando em prática o conceito de extensão. “Era muito comum termos uma miscelânea de sotaques e visões de mundo nas atividades. De certo modo, conseguimos ofertá-las para o Brasil inteiro e tivemos várias pessoas de fora do país também”, explicou.

Importância reconhecida

Em janeiro deste ano, o projeto conquistou o primeiro lugar do Prêmio Destaque Iguaçuano em “Apresentações Artísticas” com mais de 220 votos na categoria. A Prefeitura de Nova Iguaçu, através da Fundação Educacional e Cultural de Nova Iguaçu (Fenig) e da Secretaria Municipal de Cultura, visou premiar as iniciativas que fazem a diferença na vida das pessoas da cidade.

De acordo com Bigler, a premiação foi importante para reafirmar a necessidade das atividades desenvolvidas na Escola Popular de Artes dentro da UFRRJ. “As artes fazem parte da formação tanto quanto as aulas na graduação e ajudam na formação do indivíduo, cidadão e profissional. Receber esse prêmio em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, cria um elo entre a importância da Universidade na cidade e a importância de a cidade ter uma instituição de ensino superior”, afirmou o antigo coordenador da EPA.

Encontro presencial da EPA

Perspectivas futuras

Com um leque amplo de oficinas oferecidas, o projeto visa também formar grupos artísticos de áreas como teatro, música, literatura, artesanato, artes visuais e artes plásticas. Além de oferecer oficinas, o coletivo da Rural também faz intervenções artísticas e apresenta trabalhos artísticos para a comunidade.

Na primeira semana de junho (1/6), o grupo participou da Semana de Integração na volta das aulas dentro da programação que a Pró-reitoria de Graduação (Prograd) preparou no IM e realizaram uma apresentação de música e poesia, bem como exposições de artes visuais e artesanato no saguão do auditório do Instituto.

Trocas enriquecedoras

Wanderson Branco é formado em História e graduando em Belas Artes, ambas pela UFRRJ, pós-graduando em Linguagens Artísticas, Cultura e Educação pelo  Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ) de Nilópolis e oficineiro de artes plásticas e visuais na EPA. As oficinas do acadêmico buscam explorar temas da Baixada Fluminense através da Arte Educação.

Exposição do Coletivo 4° Distrito

No terceiro ciclo da EPA em 2021, Wanderson ministrou oficinas de criação artística, tendo como tema a identidade territorial da Baixada Fluminense. Nos encontros, os participantes eram incentivados a produzir obras nas mais variadas linguagens, que dialogassem com as discussões ao longo do ciclo. “Deste trabalho fundamos o Coletivo 4° Distrito e, em janeiro deste ano, iniciamos a publicação do periódico digital ‘Capivara: Revista de Arte e Cultura da Baixada Fluminense’, reunindo os trabalhos realizados pelos oficineiros.”, explicou ele sobre o coletivo, que pode ser encontrado no Instagram @c4distrito.

O estudante acredita que o potencial de programas de Extensão como a EPA é de estabelecer trocas entre a Universidade e as comunidades do seu entorno. “Nosso coletivo e revista foram um exercício nesse sentido. Acredito no potencial que estes espaços têm de aproximar pessoas e transformar realidades. Espero, neste ano, com o retorno das atividades presenciais, poder estabelecer estas trocas nos espaços físicos também”.

Encontro de ideias

Com o objetivo de fugir do confinamento da pandemia, a estudante de Pedagogia Jeniffer Furtado entrou para a EPA, onde encontrou amigos e teve seu horizonte ampliado. A graduanda, que estuda teatro desde os 6 anos e já era conhecida no IM por ser atriz, decidiu usar seus conhecimentos na área e dividi-los em oficinas da Escola.

De início, foram ofertados cursos de uso do corpo teatral que, durante o período pandêmico, tinha uma média de 10 alunos matriculados, dentre entusiastas do teatro, atores e não-atores acima dos 16 anos. “Nos encontros dividíamos a parte prática com exercícios, jogos teatrais feitos de maneira online e momentos teóricos nos quais os alunos estudavam sobre Teatro do Oprimido de Augusto Boal e Arquétipos do inconsciente por Carl Jung” contou.

Encontro presencial realizado no início deste período

Durante o curso online, Jeniffer recebeu alunos do Norte do país, o que, presencialmente, seria inviável. Para ela, seria interessante que projetos futuros da Escola Popular pudessem englobar eventos online para alcançar pessoas de todas as partes do Brasil. “A EPA se mostrou um lugar de encontro de ideias, acolhimento e expressão. Estou ansiosa para as oficinas e movimentos artísticos agora no presencial. É importante que os alunos e membros da comunidade externa sejam atendidos artisticamente. Este projeto é um local para conhecer outros artistas, para se inspirar e aprender”, apontou.

Desenvolvimento artístico e pessoal

Graduado em Letras e mestrando em Educação, o discente Leandro Rodrigues já ministrou oficinas sobre Clarice Lispector, gênero e sexualidade, sobre o Padre Antonio Vieira no século XVII e aulas voltadas para a escrita acadêmica e a gramática normativa da língua portuguesa para TCC, dissertação e teses. “Geralmente, no nosso grupo entram cerca de 100 alunos, mas, efetivamente, acabam participando umas 50 pessoas por oficina. Quando começamos, antes da pandemia, de forma presencial, a primeira aula tinha apenas seis alunos”, comentou.

Produção de arte em uma das oficinas da EPA

Atualmente, Rodrigues está no projeto como voluntário e, desde a criação da EPA, já ministrou 15 oficinas que, normalmente, ocorrem com cerca de quatro encontros cada. “E elas não são só voltadas para a prática e a técnica, como as de escrita, que vão ter uma utilidade na cotidianidade do graduando, mestrando ou doutorando, ou para o mundo das artes, como as de literatura. Também ofereço oficinas para o autodesenvolvimento, autorrealização, educação pessoal e meditação”, complementou.

Para o mestrando, a EPA ganhou ainda mais importância após a pandemia, já que o público foi expandido. “Tivemos um aumento significativo no índice de participação, porque as pessoas estavam em casa, não tinham muito o que fazer, então nessa impossibilidade de poder sair, elas encontraram na EPA uma maneira de extravasar na arte e não deixar a vida parar”, argumentou.

Qualificação profissional

Os cursos ministrados pelo discente ajudaram ainda na qualificação dos alunos da EPA. “Teve uma aluna da Paraíba que conseguiu um trabalho em uma escola a partir de uma das oficinas que eu ministrei, que era de literatura africana, e um dos critérios do processo seletivo era justamente um curso na área. Fiquei muito contente com aquilo, pois é algo que acaba servindo para a educação profissional e tecnológica, além de implementar o currículo daquele profissional”, ressaltou.

Dos cerca de 50 alunos que passaram por um dos ciclos, Rodrigues comenta que apenas 15 eram do Sudeste do país e o restante vinha do Norte e do Nordeste. “Tinha gente do Amazonas, Pará, Rio Grande do Norte e interior do Ceará. Hoje, a gente tem esse público muito diversificado. A EPA tem extrema importância para o tripé da Universidade de ensino, pesquisa e extensão. E é um projeto que contempla muitas pessoas, que leva a Rural muito além dos seus muros. Conseguimos atingir outros estados com recursos muito simples, os bolsistas e as ferramentas de videoconferência”, finalizou.

 

Texto: Lidiane Nóbrega e Roberto Jones – bolsistas de Jornalismo da Proext/UFRRJ.


Postado em 30/06/2022 - 16:26 -

Notícias Relacionadas

Escola Popular de Artes divulga o resultado preliminar do edital para seleção de bolsista na área de produção cultural
Convocação para Entrevistas da Escola Popular de Artes – EPA