Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
Filter by Categories
Acesso Rápido RE
Acesso Rápido RU
Ações de Extensão
Almoço
Alojamento e Convivência
ASSUNTOS ADMINSTRATIVOS
ASSUNTOS ESTUDANTIS
ASSUNTOS FINANCEIROS
Atualizações do Diário Oficial
Auditórias Anuais
Banco de Legislação - Financeiro
Bolsas Assuntos Estudantis
Caderno Extensão
Calendário
Câmara de Extensão
Cantinas
Cardápio do Restaurante Universitário
Carga Horária Diretrizes Curriculares
Centro de Memória
Clipping
COAP
Como Chegar
Como Chegar
Como Chegar
Como Chegar Graduação
Composição Câmara de Graduação
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Contrato de Obras
CORIN
CPPD
Cursos de Pós-Graduação
DAC
DCF
DEL
Deliberações - CPPD
Deliberações COAP
Desenvolvimento Institucional
Desjejum
DGCC
Diretrizes Curriculares Nacionais
Diretrizes Gerais
DLI
Documentos Fórum das Coordenações
DPPEx
DRCI
Dúvidas Financeiro
Dúvidas Frequentes RE
Dúvidas Frequentes RU
Dúvidas Monitoria Graduação
Editais
Editais
Editais
Editais
Editais
Editais Corin
Editais em Aberto
Editais em Andamento
Editais Fechado
Empresas Juniores
Equipamentos Multiusuários
Equipe
Equipe
Equipe
Equipe
Equipe
Equipe
Equipe e Contatos
Espaços Físicos Comerciais
Estágio Ouvididoria
EXTENSÃO
Extratos de Convênio
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco Imprensa
Fale Conosco PROPLADI
Finanças DCF
Formulário Cursos
Formulários - CPPD
Formulários Acadêmicos
Formulários Câmara de Graduação
Formulários COAP
Formulários Cursos Extensão
Formulários DCF
Formulários DP
Formulários Equipe de Trabalho Extensão
Formulários Eventos Extensão
Formulários Monitoria Graduação
Formulários NAAP
Formulários PICDT
Formulários Prefeitura
Formulários Prestação de Contas
Formulários Prestação de Serviços Extensão
Formulários Programas Extensão
Formulários Projetos Extensão
Formulários Publicação Extensão
Formulários STA
Glossário
GRADUAÇÃO
Grupo de Estudo
Grupos PET
Informações para cadastro
informes Mobilidade Acadêmica Intra-campi
Informes Parfor
Iniciação Científica
INSTITUCIONAL
Jantar
Jornal da Graduação
Laboratórios
Lato Sensu
Legislação Docentes
Legislação NULEP
Legislação Ouvidoria
Legislação Técnicos Administrativos
Lei Orçamentária Anual
Leis - CPPD
Links
Links
Links Extensão
Links PARFOR
Links Pós-Graduação
Links úteis
Links úteis NULEP
Links Úteis Servidor
Logotipos
Manuais NULEP
Mão de Obra Terceirizada
Militantes
MOBILIDADE INTRA-CAMPI
MOBILIDADE NACIONAL
Normas
Normas Curso
Normas de Extensão
Normas Financeiro
Notícia
Notícia Destaque
Noticia Pós-Graduação
Notícias
Notícias
Notícias
Notícias Assuntos Estudantis
Notícias CPPD
Notícias da Extensão
Notícias de Cantinas e Espaços Físicos
Notícias Graduação
Notícias Orçamento e Finanças
Notícias Prefeitura
Notícias Rural Semanal
Notícias Servidor
Notícias Servidor S/Imagem
Notícias Terceirizados
Ouvidora
Ouvidoria
PARFOR
PET
Planejamento Institucional
Portal do Serividor
Portarias
Portarias Financeiro
PÓS-GRADUAÇÃO
Práticas Específicas
Pré-Enem Nova Iguaçu
Pré-Enem Seropédica
Prefeitura
Prestação de Contas
Principais Orientações - Coaaf
Principais Orientações - Coapen
Principais Orientações - Cocad
Principais Orientações - Copag
Pró-Reitor Adjunto de Assuntos Adminstrativos
Pró-reitor Adjunto de Assuntos Financeiros
Pró-Reitor Adjunto PROPLADI
Pró-Reitor de Assuntos Administrativos
Pró-reitor de Assuntos Financeiros
Pró-Reitor PROPLADI
Pró-Reitor(a) Adjunto de Assuntos Estudantis
Pró-Reitor(a) Adjunto de Extensão
Pró-Reitor(a) Adjunto de Graduação
Pró-reitor(a) Adjunto de Pesquisa e Pós Graduação
Pró-Reitor(a) de Assuntos Estudantis
Pró-Reitor(a) de Extensão
Pró-Reitor(a) de Graduação
Pró-Reitor(a) de Pesquisa e Pós Graduação
Processo Seletivo Mobilidade Acadêmica Nacional
Processo Seletivo PARFOR
Processo Seletivo PET
PROEXT
Programas
Programas
Projetos vigentes
PROPLADI
Publicações
Publicações Graduação
Regional ou Cultural
Reitor
Relatórios DCF
Relatórios de Gestão
Religioso ou Ecumênico
Revista Extensão
Rural Semanal
Secretaria Administrativa
Secretaria de Registros Acadêmicos - Solicitações
Secretaria Ouvidoria
Sem categoria
Serviços gerais
Serviços para servidor
Servidor na Mídia
Stricto Sensu
Terceirizados
Treinamentos e Palestras Financeiro
UFRRJ Ciência
Vice-Reitor
Vídeos Imprensa
Portal UFRRJ > INSTITUCIONAL > Notícia Destaque > A docência na pandemia: e agora?

A docência na pandemia: e agora?

Aristóteles Berino (*)  

Estudantes reunidos no câmpus Nova Iguaçu, antes do período de isolamento social, em abril de 2019. (Foto: Arquivo CCS/UFRRJ).

Nosso modo de funcionamento entrou em crise, é o que diz Ailton Krenak (2020, p. 81) quando constata que a pandemia nos pegou em cheio. Existir em sociedades que convergem para a globalização neoliberal é naufragar no capitalismo avançado, quando a lógica da acumulação de capital se espalha por todo o planeta e por toda a fruição humana. A história do capitalismo nos trouxe até aqui, não há mais nada que não passe por suas vísceras. O resultado é o permanente estado de vulnerabilidade e escassez em que vive uma maioria marginalizada nesse processo: as classes populares, os excluídos e os povos originários. No entanto, no limite é uma crise geral da civilização moderna, a ruína da própria concepção burguesa de mundo. O problema da percepção da crise é que ela foi normalizada.

Apesar do estado crítico em que já vivíamos, as coisas pareciam aceitáveis ou normais até um certo ponto. Seguindo a advertência de Ailton Krenak, o que estamos vivendo com a pandemia é um grave sinal de que não era normal o nosso modo de funcionamento e precisamos nos posicionar sobre isso agora, caso contrário tudo vai piorar irresistivelmente. O discurso do poder é de uma recuperação, é claro. Por isso um “novo normal” (BERINO; CABRAL, on-line/a), depois do susto da emergência epidemiológica. A postura é de aniquilação porque a lógica da acumulação capitalista não é reflexiva sobre a própria condição existencial. Remeto a três obras que poderiam nos ajudar nessa reflexão: A terra inabitável (WALLACE-WELLS, 2019), Capitalismo e colapso ambiental (MARQUES, 2018) e A nova razão do mundo (DARDOT; LAVAL, 2016).

E a educação com isso? Quando Ailton Krenak diz, “o mundo não pode parar. E o mundo parou”, ainda que isso deva ser entendido de modo relativo (OLIVEIRA, on-line), penso especialmente na educação. A quarentena interrompeu as escolas. Acompanhando a intensa desigualdade provocada pela forma como se alicerça a sociedade capitalista no Brasil, a situação da paralisação das escolas ocorre de modo bastante desigual também. Nas instituições privadas, em muitas delas, na segunda semana da quarentena as aulas presenciais já tinham sido substituídas por encontros remotos, síncronos e assíncronos, com o semestre seguindo praticamente o calendário já estabelecido no início do ano letivo. Nas grandes redes públicas, as classes populares foram as mais vitimadas porque não possuem as mesmas condições para o ensino remoto.

Nas universidades públicas, de um modo geral, a retomada aconteceu bem mais adiante, depois de um período de maior avaliação e discussão sobre os rumos da pandemia e as alternativas existentes. Aqui, na UFRRJ, um período chamado de Ensino Continuado Emergencial prosseguiu de modo remoto as aulas, a partir de setembro. Desde março, quando o distanciamento social foi adotado, através de uma quarentena com fases distintas de severidade, variável nas cidades e de acordo com tempo diverso da pandemia em todo o país, o magistério vive com ansiedade diante das muitas realidades em que está submetido nas diferentes redes de ensino e graus da educação. O assédio profissional (NAPOLITANO, on-line), a precariedade (CRUVINEL; KLINKE, on-line) e até o desemprego (MENDONÇA, on-line) são uma realidade presente para muitos professores e professoras, aumentando ainda mais o sofrimento imposto pela própria pandemia.

Estamos no mês de outubro e muitas redes públicas e privadas na educação básica, em todo o país, de acordo com os contextos locais, estabelecem um calendário para uma volta às aulas presenciais, de modo gradual, mas ainda adotando o ensino remoto de modo associado. Ainda não temos uma vacina nem tratamento para a Covid-19. A insegurança é grande (ALTINO; PORCIDONIO, on-line) e ainda me parece prudente observar que não temos certezas a respeito do próximo ano letivo, como poderá ocorrer, afinal a pandemia não acabou e ainda não sabemos como tudo deverá seguir, inclusive sobre os resultados de uma vacinação próxima (JANSEM, on-line). Na universidade, sobre a situação de emergência epidemiológica, também não escapamos das incertezas. O que fazer com os períodos regulares de ensino sem o presencial? É possível seguir de modo remoto? Existe educação remota em um sentido válido? Aula on-line é “aula”? É possível aprender e ensinar, de fato? E agora?

A ideia de que o nosso modo de funcionamento não estava bom também é válida para a educação. A desigualdade de resultados e oportunidades promovidas pela educação, preexistentes à pandemia, se acentuaram, é o que estamos vendo. O mal-estar na educação é uma conclusão insofismável. Para tornar a situação ainda mais crítica, o próprio ministro da educação, pastor Milton Ribeiro, afirmou em uma entrevista recente, entre outras barbaridades, que a questão da desigualdade educacional “(…) não é um problema do MEC, é um problema do Brasil. Não tem como, vai fazer o quê?” (SOARES, on-line). As classes populares estão à deriva na pandemia e a educação será mais uma deterioração sentida. Diante desse quadro devastador, a universidade pública precisa não apenas decidir sobre seus próprios caminhos para o ensino, mas pensar e formular com a sociedade que país queremos agora, diante da crise sanitária e também educacional.

Entendo que o problema da passagem do presencial para o remoto não deve ser visto simplesmente como a adoção de uma nova prática de ensino e uma didática correspondente que precisa ser apenas recomendada ou recusada. Essa seria uma forma pouco cuidadosa de lidar com a situação. Vejo mais construtivo situar a questão seguindo, por exemplo, os termos em que Paulo Freire discutia a educação. Sim, Paulo Freire ainda tem muitos a nos dizer, mesmo durante a pandemia. Para ele, com a educação buscamos dar sentido à nossa presença no mundo (FREIRE, 2000, p. 38). Esse é o sentido transformador da educação freireana: inconformidade com uma prática meramente reativa e formativa de ações criadoras, à procura de uma outra realidade, emancipada das condições opressoras impostas. Para tanto, não me parece muito consequente agora qualquer abordagem que precipita uma tomada de decisão sobre a docência sem observar a condição neoliberal, mas também o tempo da pandemia.

Com Paulo Freire, o que estou afirmando é a necessidade de uma leitura do mundo (FREIRE, 2011, p. 19), do que agora nos acontece, levando em conta o que nos condiciona. Qualquer que seja o caminho adotado sobre o ensino, precisa ser precedido de uma leitura do mundo como “inteligência do mundo”, ou seja, que nos situe com lucidez diante dos desafios e da necessária transformação, se estamos comprometidos com a sorte da educação da maioria popular e dos destinos da própria universidade pública, da sua autoridade pedagógica e até da sua sobrevivência. Penso que não nos interessa uma volta à normalidade preexistente. Ela é responsável pela própria crise sanitária. Tampouco nos interessa um “novo normal”, apenas um eufemismo para não sairmos do lugar. Na verdade, ele nos levará mais velozmente para o abismo. No ponto em que estamos, impossível não admitir os riscos, sejam quais forem as nossas escolhas. Citando novamente Paulo Freire (2000, p. 30): “(…) como presença no mundo, corro risco”.

Ainda em abril, atendendo a um chamado aberto pela Escola de Extensão da UFRRJ para submissão de propostas, lecionei um curso on-line de 30h, em dez encontros semanais, sobre Paulo Freire (BERINO; CABRAL, on-line/b). Em junho iniciei uma segunda turma do mesmo curso. Rapidamente, nos dois casos, as vagas foram preenchidas. Muitos estudantes da graduação e da pós-graduação, de diferentes licenciaturas, tinham interesse em estudar no período, de modo remoto. Nos dois casos, aproximadamente 50% dos inscritos seguiram até o final do curso, cuja proposta era a leitura e discussão de cinco obras de Paulo Freire. Agora, nos Estudos Continuados Emergenciais, estou repetindo o mesmo no PPGEduc/UFRRJ, com uma carga horária um pouco maior: 45h. Precisei ampliar para quarenta as originais quinze vagas previstas, tal a procura. Na graduação, no curso de Pedagogia do IM, em Nova Iguaçu, estou lecionando para uma turma de 25 discentes. Nunca havia lecionado na modalidade on-line, tinha apenas uma experiência, não muito significativa, com EaD, também através da UFRRJ.

Trata-se de uma breve experiência que estou narrando como partilha sobre a minha docência agora, durante a pandemia. Não é uma exortação, apenas uma comunicação para as muitas conversas que precisamos realizar se desejamos amadurecer os caminhos do ensino a partir da pandemia. O curso de extensão foi feito exclusivamente de modo síncrono. Já durante os Estudos Continuados Emergenciais, a prática é síncrona e assíncrona. Está claro que o ensino mediado pelas tecnologias digitais só poderá adequadamente ocorrer observadas algumas garantias e condições para docentes e discentes. Sem recursos e internet satisfatórios, o resultado será seguramente péssimo, como tem acontecido, basicamente, nas grandes redes públicas (COELHO, on-line). Também é preciso formação adequada para essa prática de ensino. Os desafios pedagógicos são muitos. Tenho contado com o apoio de algumas orientandas[1] da pós-graduação na minha docência on-line. Tem sido um apoio fundamental para a realização do meu trabalho de modo mais seguro e de maior correspondência com as turmas.

A minha experiência é em uma universidade federal e até agora controlada, se comparo com as muitas narrativas sobre o magistério na pandemia. Os encontros até agora, nos cursos relatados, alcançaram bons resultados, posso afirmar. Importante frisar que curso de extensão e Estudos Continuados Emergenciais não são situações limites. A pequena experiência acumulada indica para mim que um semestre regular remoto poderá se transformar em um cenário de muitos problemas se não avançarmos na discussão sobre as condições para o ensino e aprendizagem, inclusive sobre a prática pedagógica curricular adotada. Aí existe o prenúncio, sim, de uma “EaD piorada”. É uma ameaça real. Estamos, como já apontei, em uma situação de riscos diante das escolhas que precisam ser feitas (e já estamos fazendo). No entanto, não aceito a ideia de que, por princípio, a educação em um sentido válido não existe através do on-line. Educação é uma prática social e historicamente construída, não tem uma natureza intrínseca, ela também se transforma. Educação é criação.

A leitura do mundo é agora crucial. O deslocamento da educação para o mundo da internet comporta muitas ameaças para a educação pública. As chamadas big techs encontram na pandemia uma oportunidade de expansão dos seus interesses. É o caso de serviços como Google Classroom e Microsoft Teams. Com razão, o teórico da comunicação Marcos Dantas adverte que estamos “entregando para essas plataformas a própria formação da identidade e da cultura brasileira” (SANTOS, João Vitor, on-line), através dos dados que produzimos nelas.  O desenvolvimento acelerado dos serviços e mídias digitais estão intimamente relacionados à virada neoliberal na economia capitalista. É importante saber em que território estamos pisando. E mais, não se trata apenas de informação. Big data é muito mais do que isso. Diz o filósofo Byung-Chul Han (2018, p. 107), “A psicopolítica neoliberal é a técnica de dominação que estabiliza e mantém o sistema dominante através da programação e do controle psicológicos”. O engajamento na internet é um enredo do poder, não podemos negligenciar, ainda mais nos assuntos da educação.

São questões que não estávamos muito atentos até recentemente e agora, também pela pandemia, mas não apenas, precisamos prestar mais atenção. Por outro lado, ignorar o tempo da pandemia também não me parece razoável. Estamos no final de 2020 e não creio que vamos ter condições de uma volta às aulas presenciais sem sobressaltos para breve (LOPATKA; STRAUSS, on-line). Lembrando que a pandemia não acabou, ainda não temos vacina nem tratamento. A universidade pública está sob ataque constante e a educação no coração das guerras culturais, movidas pelo próprio governo Bolsonaro. Já estamos em uma zona de riscos e como atravessá-la é algo que precisamos discutir para estabelecermos compromissos. Diferente disso, vejo como uma prática negacionista. Acho válido conhecer o que pesquisadores da educação on-line estudam há algum tempo (SANTOS; SANTOS, 2013) e situar no campo das lutas populares agora. Seja como for, só um debate aberto e franco poderá nos oferecer elementos para a maior lucidez sobre a nossa responsabilidade na universidade pública.

 

(*) Aristóteles Berino  é professor do Departamento de Educação e Sociedade do Instituto Multidisciplinar (DES/IM) e do Programa de Pós-Graduação em Educação, Contextos Contemporâneos e Demandas Populares (PPGEduc) da UFRRJ.

 

REFERÊNCIAS

ALTINO, Lucas; PORCIDONIO, Gilberto. Escolas fecham ou suspendem turmas após casos ou suspeitas de coronavírus entre alunos no Rio. Disponível em: <https://oglobo.globo.com/rio/volta-as-aulas-escolas-voltam-fechar-ou-suspendem-turmas-apos-casos-ou-suspeita-de-covid-19-24686637>. Acesso em: 12 out. 2020.

BERINO, Aristóteles; CABRAL, Talita. O “novo normal em tempos de pandemia”: a sociedade capitalista em questão. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/re-doc/announcement/view/1113>/a. Acesso em: 12 out. 2020.

______. Paulo Freire on-line: um ensaio estético. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/re-doc/announcement/view/1130>/b. Acesso em: 13 out. 2020.

COELHO, Tiago. O ano da luta: A difícil batalha dos alunos pobres para conseguir estudar durante a pandemia. Disponível em: <https://piaui.folha.uol.com.br/materia/o-ano-da-luta/>. Acesso em: 13 out. 2020.

CRUVINEL, Janaína Junqueira Valaci; KLINKE, Karina. Precarização do trabalho docente em tempos de pandemia: a experiência de Minas Gerais. Disponível em: <https://pensaraeducacao.com.br/pensaraeducacaoempauta/precarizacao-do-trabalho-docente-em-tempos-de-pandemia-a-experiencia-de-minas-gerais/>. Acesso em: 11 out. 2020.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian Laval. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Cortez, 2011.

______. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

JANSEM, Roberta. Nem vacina garante volta à normalidade. Disponível em: <https://saude.estadao.com.br/noticias/geral,nem-vacina-garante-volta-a-normalidade,70003392859> Acesso em: 12 out. 2020.

KRENAK, Ailton. A vida não é útil. São Paulo: Companhia da Letras, 2020.

LOPATKA, Jan; STRAUSS, Marine. Em pânico, Europa se prepara para a segunda onda de covid-19. Disponível em: <https://www.terra.com.br/noticias/mundo/em-panico-europa-se-prepara-para-segunda-onda-de-covid-19,eeddfa52f01a010b8c9a9a382121783aswhtnutj.html?fbclid=IwAR2g5UVuwUvH_b4QUf-ufhhGeFxjpeLS2hfwly8k7ivoCucksUX-esY9WZA> Acesso em: 14 out. 2020.

MARQUES, Luiz. O capitalismo e o colapso ambiental. 3ª ed. revista. Campinas: Editora da Unicamp, 2018.

MENDONÇA, Heloísa. “Em meio à pandemia, fomos tratados como números”, diz professor demitido da Uninove. <https://brasil.elpais.com/brasil/2020-06-24/em-meio-a-pandemia-fomos-tratados-como-numeros-diz-professor-demitido-da-uninove.html>. Acesso em: 11 out. 2020.

NAPOLITANO, Celso. Dois meses de suspensão de aulas: o trabalho brutal de professores em uma quarentena sem folga. Disponível em: <http://fepesp.org.br/noticia/dois-meses-de-suspensao-de-aulas-o-trabalho-brutal-de-professores-em-uma-quarentena-sem-folga/>. Acesso em: 11 out. 2020.

OLIVEIRA, Maria Eduarda. Pandemia revela a escravidão da mão de obra dos aplicativos. Disponível: <https://d.emtempo.com.br/economia/219985/pandemia-revela-a-escravidao-da-mao-de-obra-dos-aplicativos>. Acesso em: 11 out. 2020.

SANTOS, João Vitor. A privatização da educação através das plataformas de ensino remoto. Entrevista especial com Marcos Dantas. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/603420-a-privatizacao-da-educacao-atraves-das-plataformas-de-ensino-remoto-entrevista-especial-com-marcos-dantas>. Acesso em: 14 out. 2020.

SANTOS, Rosemary dos; SANTOS, Edméia Oliveira dos. Práticas Multirreferenciais de educação online: Expressões de uma pesquisa. Revista Eletrônica de Educação. São Carlos, v. 7, n. 2, no. 2013, p. 153-172. Disponível em: <http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/715>. Acesso em: 14 out. 2020.

SOARES, Jussara. Volta às aulas no País e acesso à internet não são temas do MEC, diz ministro. Disponível em: <https://educacao.estadao.com.br/noticias/geral,voltas-as-aulas-no-pais-e-acesso-a-web-nao-sao-temas-do-mec-diz-ministro,70003450120>. Acesso em: 12 out. 2020.

WALLACE-WELLS. A terra inabitável: uma história do futuro. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

[1] A mestranda Valdeléia Maria dos Santos e a doutoranda Janaína Rodrigues de Freitas Machado Eduardo.

 

 

Este espaço é destinado prioritariamente a colaborações da comunidade universitária. O texto deve ter título e nome completo do autor.  As opiniões expressas são de responsabilidade exclusiva de seus autores. O material deve ser enviado para o e-mail comunicacao@ufrrj.br


Postado em 15/10/2020 - 09:44 -

Notícias Relacionadas

Das cinzas da Estação de Belém
Covid-19 na Baixada Fluminense: O tsunami se aproxima
A fundação da Sociedade Botânica do Brasil há 70 anos

Últimas Notícias

Skip to content