Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
Portal UFRRJ > INSTITUCIONAL > Notícia Destaque > Professor José Pacheco fala sobre desafios das universidades brasileiras

Professor José Pacheco fala sobre desafios das universidades brasileiras

Educar para transformar

 

Por Michelle Carneiro (CCS/UFRRJ)

 

Manhã inspiradora. José Pacheco na conferência de abertura do V Congresso Nacional de Letras do Instituto Multidisciplinar

Convidado para proferir a conferência de abertura do V Congresso Nacional de Letras do Instituto Multidisciplinar (V Conalim), em 22 de outubro, o educador português José Pacheco proporcionou aos estudantes do câmpus Nova Iguaçu uma manhã inspiradora. Em entrevista ao Rural Semanal, o idealizador da Escola da Ponte, em Portugal, e diretor pedagógico dos projetos de formação da EcoHabitare, comentou os desafios e oportunidades das universidades brasileiras para transformar a sociedade.

 

Somos uma universidade no coração da Baixada Fluminense, uma região de profunda desigualdade de aprendizagem e de oportunidades. Qual o papel que a UFRRJ pode desempenhar para a transformação dessa realidade?

 

José Pacheco – Antes de qualquer coisa, eu devo dizer que estou muito grato pelo convite. Aquilo que eu digo em qualquer universidade é que são necessários três movimentos para realmente gerar condições de igualdade, de aprendizagem e de justiça social. O primeiro é honestidade intelectual; o segundo, aquilo que eu designaria por autonomia moral; e o terceiro, assumir um compromisso ético com a educação.

 

O que devemos entender por honestidade intelectual?

 

J.P. – Honestidade intelectual porque somos profissionais da educação, somos seres conscientes daquilo que fazemos, conhecedores da teoria e, portanto, é preciso colocar a teoria em coerência com a prática. O que me parece é que há muita desonestidade intelectual, não aqui em Nova Iguaçu, mas em outros lugares. Ou seja, tudo que está na teoria, que se escuta nos congressos e tal, não está na prática. Há uma sofisticação do discurso e a miséria na prática continua, a desigualdade continua, o analfabetismo, tudo isso continua.

 

E autonomia moral?

 

J.P. – Autonomia moral é porque todas as práticas que acontecem, e não é só nas universidades, mas em todos os sistemas de ensinagem, têm que passar por um sistema de aprendizagem.

 

E o compromisso ético com a educação?

 

J.P. – Nós sabemos que esse modelo que vem do século XIX não funciona. Então, se do modo como eu trabalho eu não ensino a todos, eu tenho direito de continuar a trabalhar desse modo? Vamos ser éticos. Vamos ter vergonha na cara! Então, eu venho aqui para conversar e para perguntar se querem realmente que esses três componentes da mudança aconteçam. Tão simples… Estás a ver? Eu sou uma peste [risos].

 

A formação dos docentes de educação básica pela universidade pode ser um ponto de inflexão para essa mudança?

 

J.P. – Pode e deve. Eu fui formador de professores na universidade; fui formador de formadores; diretor de Centro de Formação; consultor de formação; avaliador de formação; membro do conselho nacional para formação; e fiz uma dissertação de mestrado sobre formação. Concluí que formar é impossível. Ao fim de 40 anos, foi a minha conclusão. Mas transformar é necessário. O que é preciso na formação de professores é a reelaboração da cultura do professor, a partir daquilo que ele é e daquilo que sabe.

 

Como isso pode acontecer?

 

J.P. – Valorizando o que o professor sabe, a aula e tudo isso, mas partindo para outra coisa, com três princípios. O primeiro é o isomorfismo, o modo como o professor aprende é o modo como o professor ensina. Segundo, a teoria nunca vem antes da prática. Terceiro, o professor não é objeto de formação, ele é quem se capacita, é sujeito de aprendizagem no contexto de uma equipe e de um projeto. Se for feito isso, tudo se resolve. Ou quase tudo.

 

Qual a importância, no atual cenário político brasileiro, de valorizarmos a universidade pública e gratuita?

 

J.P. – Porque é o que está na lei. O artigo 205 [da Constituição Federal] diz que a educação é um direito – e é um direito até o fim da universidade. Só com uma diferença: até o fim do Ensino Médio é obrigatório, depois, não. Então é preciso reforçar esse direito. Eu sou professor de ensino público há 52 anos, e hei de morrer assim, no chão de escola. O fato de haver escolas particulares significa que a escola pública não funciona e, portanto, temos de dar condições a elas.

 

Publicado originalmente no Rural Semanal 11/2019

 


Postado em 01/11/2019 - 14:29

Notícias Relacionadas

Moradora de Seropédica, estudante prepara as malas para o intercâmbio

Professora do IE/UFRRJ discute remuneração docente no Conexão Futura

Professor de Ciências Ambientais analisa crise na Amazônia

Docente do DEDH fala sobre os rumos da Educação Superior no Canal Futura

Professora Karine Vargas faz balanço das ações na Flona Mário Xavier

Últimas Notícias