Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
Portal UFRRJ > INSTITUCIONAL > Notícia > Professor de Ciências Ambientais analisa crise na Amazônia

Professor de Ciências Ambientais analisa crise na Amazônia

‘Falta visão de futuro’

Por Michelle Carneiro (CCS/UFRRJ)

Jerônimo Sansevero. “Vivemos um momento de retrocesso. O pior é que o Brasil tem as condições para que isso seja feito de outra forma”

O desmatamento de milhares de hectares da Floresta Amazônica foi motivo de polêmicas e de propagação de notícias falsas. A hashtag #prayforamazonia foi uma das mais mencionadas no Twitter e o Brasil enfrenta pressão internacional para dar fim aos incêndios na região. Em entrevista ao Rural Semanal, Jerônimo Sansevero, professor do Departamento de Ciências Ambientais do Instituto de Florestas (IF/UFRRJ), comenta os desafios que o país enfrenta com a crise na Amazônia.

Incêndios florestais acontecem com frequência durante a estação seca. Por que a questão se agravou tanto este ano?

Jerônimo Sansevero – Precisamos entender que na Amazônia os incêndios são antrópicos [resultantes da ação humana], não têm causas naturais. O objetivo é desmatar para depois incendiar. Uma das hipóteses para esse agravamento é o ‘Dia do Fogo’ [produtores rurais da região Norte teriam iniciado um movimento conjunto para incendiar áreas da floresta em 10/8]. Também existe uma questão de identificação com a mensagem que
o próprio governo envia sobre a área ambiental. Há, entre aspas, permissão ou quase um incentivo para que isso ocorra.

Quais são as maiores perdas diante desta situação?

J.S. – São inúmeras. O país passa a emitir mais gás de efeito estufa… Mas, provavelmente, a perda mais importante é a de biodiversidade, já que as espécies da Floresta Amazônica não têm adaptações para lidar com o fogo. Outro aspecto, que será sentido apenas a médio e longo prazo, é a perda
econômica. Não sentiremos agora porque não se consegue, ou não se quer (o que é pior) atribuir valor econômico à floresta em pé.

As áreas atingidas pelas queimadas conseguirão se recuperar?

J.S. – Isso não é simples de prever. As áreas em que a quantidade de floresta no entorno é expressiva, e o fogo não foi muito intenso, terão sim  capacidade de naturalmente se recuperar. Áreas com muitos eventos de fogo, e sem floresta próxima, exigiriam projetos de recuperação – por
exemplo, com plantio de mudas. Já o pior cenário seria uma mudança de bioma: a interação do desmatamento e dos incêndios com as mudanças do clima da região poderiam fazer com que algumas áreas se tornassem savanas. São necessários mais estudos científicos para entender a escala
em que isso se daria.

Ainda há muita confusão sobre a importância da Floresta Amazônica. O presidente da França Emmanuel Macron, por exemplo, mencionou a expressão “pulmão do mundo”, o que é contestado por cientistas. Por que a região é vital?

J.S. – O fato de a Amazônia não ser o pulmão do mundo não faz dela menos importante. A biodiversidade da região possui valor incalculável. Outro fator é a hipótese dos rios voadores, que indica que grande parte da chuva que a região Sudeste recebe vem do Norte. Nossa segurança hídrica depende da Floresta Amazônica.

Quais são as perspectivas para a Amazônia diante da postura adotada pelo governo federal com as questões ambientais?

J.S. – Vivemos um momento de retrocesso. O pior é que o Brasil tem as condições para que isso seja feito de outra forma. Temos uma legislação ambiental boa; o que falta são condições para cumpri-la. Temos cientistas excelentes nesse campo de estudo, que deveriam ser ouvidos nas tomadas de decisões. E, com as mobilizações nas mídias sociais, vimos claramente que a posição do governo não expressa a da sociedade. O que falta é um governo que use todas essas ferramentas e atenda aos anseios de quem o elegeu. Por isso, considero importante o país receber pressão internacional em momentos como este. Não vejo isso como perda de soberania.

Poderíamos, então, falar que nós temos a floresta, o conhecimento, a legislação ambiental, mas falta vontade política?

J.S. – Não é só falta de vontade política, é mais grave: falta visão de futuro. Isso que torna o momento tão difícil.

Neste contexto, qual contribuição poderia ser dada pelas universidades e pelos cientistas da área?

J.S. – Temos que ser capazes de falar mais sobre o tema ambiental, e de uma maneira mais simples, para que a sociedade consiga estabelecer melhor relações de causa e efeito. Essa é uma característica que, em geral, falta para os cientistas brasileiros. Não somos treinados para fazer o trabalho de comunicação, de extensão… Essa é uma área em que precisamos melhorar.

 

Entrevista originalmente publicada na página 3 do Rural Semanal 08/2019.


Postado em 03/09/2019 - 10:09

Notícias Relacionadas

Professor José Pacheco fala sobre desafios das universidades brasileiras

Moradora de Seropédica, estudante prepara as malas para o intercâmbio

Professora do IE/UFRRJ discute remuneração docente no Conexão Futura

Docente do DEDH fala sobre os rumos da Educação Superior no Canal Futura

Professora Karine Vargas faz balanço das ações na Flona Mário Xavier

Últimas Notícias