Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
Filter by Categories
Acesso Rápido RE
Acesso Rápido RU
Ações de Extensão
Almoço
Alojamento e Convivência
ASSUNTOS ADMINSTRATIVOS
ASSUNTOS ESTUDANTIS
ASSUNTOS FINANCEIROS
Atualizações do Diário Oficial
Auditórias Anuais
Banco de Legislação - Financeiro
Bolsas Assuntos Estudantis
Caderno Extensão
Calendário
Câmara de Extensão
Cantinas
Cardápio do Restaurante Universitário
Carga Horária Diretrizes Curriculares
Centro de Memória
Clipping
COAP
Como Chegar
Como Chegar
Como Chegar
Como Chegar Graduação
Composição Câmara de Graduação
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Comunicados Oficiais
Contrato de Obras
Coordenador de Comunicação Social
CORIN
CPPD
Cursos de Pós-Graduação
DAC
DCF
DEL
Deliberações - CPPD
Deliberações COAP
Desenvolvimento Institucional
Desjejum
DGCC
Diretrizes Curriculares Nacionais
Diretrizes Gerais
DLI
Documentos Fórum das Coordenações
DPPEx
DRCI
Dúvidas Financeiro
Dúvidas Frequentes RE
Dúvidas Frequentes RU
Dúvidas Monitoria Graduação
Editais
Editais
Editais
Editais
Editais
Editais Corin
Editais em Aberto
Editais em Andamento
Editais Fechado
Empresas Juniores
Equipamentos Multiusuários
Equipe
Equipe
Equipe
Equipe
Equipe
Equipe
Equipe e Contatos
Espaços Físicos Comerciais
Estágio Ouvididoria
EXTENSÃO
Extratos de Convênio
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco
Fale Conosco Imprensa
Fale Conosco PROPLADI
Finanças DCF
Formulário Cursos
Formulários - CPPD
Formulários Acadêmicos
Formulários Câmara de Graduação
Formulários COAP
Formulários Cursos Extensão
Formulários DCF
Formulários DP
Formulários Equipe de Trabalho Extensão
Formulários Eventos Extensão
Formulários Monitoria Graduação
Formulários NAAP
Formulários PICDT
Formulários Prefeitura
Formulários Prestação de Contas
Formulários Prestação de Serviços Extensão
Formulários Programas Extensão
Formulários Projetos Extensão
Formulários Publicação Extensão
Formulários STA
Glossário
GRADUAÇÃO
Grupo de Estudo
Grupos PET
Informações para cadastro
informes Mobilidade Acadêmica Intra-campi
Informes Parfor
Iniciação Científica
INSTITUCIONAL
Jantar
Jornal da Graduação
Jornalista
Laboratórios
Lato Sensu
Legislação Docentes
Legislação NULEP
Legislação Ouvidoria
Legislação Técnicos Administrativos
Lei Orçamentária Anual
Leis - CPPD
Links
Links
Links Extensão
Links PARFOR
Links Pós-Graduação
Links úteis NULEP
Links Úteis Servidor
Logotipos
Manuais NULEP
Mão de Obra Terceirizada
Militantes
MOBILIDADE INTRA-CAMPI
MOBILIDADE NACIONAL
Normas
Normas Curso
Normas de Extensão
Normas Financeiro
Notícia
Notícia Destaque
Noticia Pós-Graduação
Notícias
Notícias
Notícias
Notícias Assuntos Estudantis
Notícias CPPD
Notícias da Extensão
Notícias de Cantinas e Espaços Físicos
Notícias Graduação
Notícias Orçamento e Finanças
Notícias Prefeitura
Notícias Rural Semanal
Notícias Servidor
Notícias Servidor S/Imagem
Notícias Terceirizados
Ouvidora
Ouvidoria
PARFOR
PET
Planejamento Institucional
Portal do Serividor
Portarias
Portarias Financeiro
PÓS-GRADUAÇÃO
Práticas Específicas
Pré-Enem Nova Iguaçu
Pré-Enem Seropédica
Prefeitura
Prestação de Contas
Principais Orientações - Coaaf
Principais Orientações - Copag
Pró-Reitor Adjunto PROPLADI
Pró-Reitor PROPLADI
Pró-Reitor(a) Adjunto de Assuntos Estudantis
Pró-Reitor(a) Adjunto de Extensão
Pró-Reitor(a) Adjunto de Graduação
Pró-reitor(a) Adjunto de Pesquisa e Pós Graduação
Pró-Reitor(a) de Assuntos Estudantis
Pró-Reitor(a) de Extensão
Pró-Reitor(a) de Graduação
Pró-Reitor(a) de Pesquisa e Pós Graduação
Processo Seletivo Mobilidade Acadêmica Nacional
Processo Seletivo PARFOR
Processo Seletivo PET
PROEXT
Programas
PROPLADI
Publicações
Publicações Graduação
Regional ou Cultural
Reitor
Relatórios DCF
Relatórios de Gestão
Religioso ou Ecumênico
Revista Extensão
Rural Semanal
Secretaria Administrativa
Secretaria de Registros Acadêmicos - Solicitações
Secretaria Ouvidoria
Sem categoria
Serviços gerais
Serviços para servidor
Servidor na Mídia
Stricto Sensu
Terceirizados
Treinamentos e Palestras Financeiro
UFRRJ Ciência
Vice-Reitor
Vídeos Imprensa
Portal UFRRJ > INSTITUCIONAL > Notícia > Editora avalia cenário da divulgação científica no Brasil

Editora avalia cenário da divulgação científica no Brasil

Há 15 anos na área da divulgação científica, a jornalista Luiza Caires é a responsável pela editoria de Ciências do Jornal da USP, e proferiu a aula inaugural da pós-graduação da UFRRJ neste semestre

 

Seja no desenvolvimento de uma nova tecnologia, na produção de um medicamento ou em um simples ato de acender a luz, a ciência está sempre ligada ao dia a dia dos brasileiros. Apesar disso, existe entre a população um padrão de muito interesse pela área, mas pouco conhecimento sobre o tema.

Nesse contexto, a divulgação científica surge como um dos principais caminhos para aproximar a ciência da sociedade. A popularização do conhecimento científico permite, sobretudo, que os cidadãos entendam a sua contribuição para o desenvolvimento do país e passem a defendê-lo.

Segundo dados da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), as universidades públicas são responsáveis pela maior parcela da produção científica do país. Logo, é fundamental que esses espaços sejam os protagonistas da divulgação científica.

Jornalista Luiza Caires ministrou a aula inagural da pós-graduação da UFRRJ neste semestre

Em março deste ano, a convite da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PROPPG/UFRRJ), a jornalista Luiza Caires ministrou a aula magna geral da pós-graduação. Tendo como tema “A Universidade como protagonista da Divulgação Científica: fundamentos, técnicas e desafios”, a aula também deu início à disciplina “Comunicação Científica: Conceitos e Práticas de Divulgação Científica nas Mídias Sociais”, do curso de Pós-Graduação em Agronomia – Ciências do Solo (CPGA-CS/UFRRJ).

Luiza Caires é mestre em Comunicação pela Universidade de São Paulo (USP) e comanda a editoria de Ciências do Jornal da Universidade. Veterana na área de divulgação científica, lançou, em 2018, o guia De cientista para jornalista – noções de comunicação com a mídia, que auxilia cientistas e acadêmicos a transformarem sua ciência em notícia.

Recentemente, a Coordenadoria de Comunicação Social (CSS) conversou com a jornalista sobre o cenário da divulgação científica no Brasil e os desafios enfrentados por quem trabalha nessa área. Leia, a seguir, a entrevista.

No ano passado, um levantamento encomendado pelo Ministério da Ciência e Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) revelou que a maioria dos brasileiros gosta de ciência, mas pouco se informa sobre ela. Por que você acha que isso acontece?

Luiza Caires Acho que quando as pessoas dizem se interessar por ciência, estão pensando em uma ideia estereotipada de ciência, que não existe na prática. Daí, quando a ciência de verdade é apresentada, mesmo que bem embalada, elas se frustram e não querem saber sobre aquilo. Se houvesse uma boa educação científica desde cedo, ainda assim as pessoas iam continuar se interessando mais pelo que é mais atraente e chama a atenção – isso é normal para qualquer tema, não só ciência. Porém, haveria mais espaço para as pessoas admirarem e se sentirem instigadas por uma diversidade maior de assuntos.

Quais os principais desafios de quem trabalha com divulgação científica no Brasil?

L.C. Ultrapassar a bolha, o nicho. Ou seja, aumentar o público potencialmente interessado, a demanda pelo que temos para oferecer. Com pouca gente interessada em divulgação científica, no meio desse mar de informações, fica difícil achar nosso espaço e, por exemplo, concorrer com fake news e pseudociência – já que essas não precisam se comprometer com a verdade, é bem mais fácil para elas vender suas ideias e promessas mirabolantes. Uma pequena parte desse desafio pode ser vencida com mudanças e esforços dos divulgadores. Mas a maior parte é um problema estrutural, que só vai melhorar com a melhora do cenário socioeconômico e com políticas de longo prazo para educação e ciência.

Além disso, é preciso caminhar em direção à profissionalização da atividade. Para que, de um lado, os divulgadores tenham formação especializada e produzam conteúdo com mais qualidade; e, por outro, sejam recompensados financeiramente por isso. Não adianta cobrar um nível profissional de uma atividade que na maior parte das vezes é feita de forma voluntária e paralela a outras.

Segundo a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), as universidades públicas brasileiras são responsáveis pela maior parte da produção científica do país. De que maneiras você acredita que o que é produzido nesses espaços pode ser apresentado à sociedade de uma forma mais atrativa, que gere interesse/curiosidade?

L.C. Há várias técnicas específicas para isso, e tenho apresentado algumas delas nas palestras e oficinas. Mas, posso falar de algumas ideias mais gerais para a divulgação científica.

Por exemplo: tentar aproximar o conhecimento gerado da realidade das pessoas, de maneira mais ou menos direta dependendo do tipo de pesquisa; antes de produzir um material, escolher com qual público se quer comunicar, para escolher qual ângulo daquele assunto é melhor mostrar e em qual formato; e, durante a produção, pensar o tempo todo nesse público e se perguntar como ele vai receber aquilo.

 

Como é, para você, estar à frente da editoria de Ciências do Jornal da USP? Em relação às dificuldades, ao contato com o público, às expectativas que se tem em relação ao trabalho dos professores/pesquisadores da maior universidade do Brasil, etc.

L.C. Primeiro, eu acho que é uma missão bem difícil tentar sintetizar em um veículo a ciência que uma universidade desse tamanho faz damos apenas retratos disso, nunca a totalidade.

Além disso, trabalhamos com a imagem que a USP passa de si mesma para as pessoas, e isso é algo que nos antecede e não depende só de nós, mas que ajudamos a construir. Vivemos com os ônus e os bônus disso, pois a USP é muito bem vista por uns, e não tanto por outros. Principalmente nessa época de polarização política que vivemos, são colados rótulos na universidade por quem quer atacá-la.

Uma outra coisa complicada com que temos que lidar é a expectativa de que a USP (e os cientistas de uma forma geral) ofereça soluções de curto prazo para os problemas. Ciência também trabalha para ajudar em emergências, como é o caso da pandemia, mas isso é exceção. Os melhores frutos das pesquisas são obtidos em trabalhos extensos e de longo prazo.

Sabe-se que, mesmo na ciência, as disparidades de gênero ainda se fazem presente. De acordo com a Unesco, somente 28,8% dos acadêmicos do mundo são mulheres. Em 2019, todos os prêmios Nobel de ciência foram entregues a homens. Na sua opinião, a divulgação científica pode ser uma aliada na luta das mulheres por representatividade na ciência? De que modo a divulgação científica pode encorajar cada vez mais meninas a seguirem a carreira de pesquisadora?

L.C. Até agora, a divulgação científica tem reproduzido as disparidades de gênero que já existem na ciência. Mesmo com muitas mulheres atuando, se você olhar para quem mais recebe atenção, vai encontrar muito mais homens. É algo estrutural que só vai mudar completamente quando isso for modificado na sociedade de uma forma geral. Mas podemos e devemos contribuir para amenizar isso com ações de inclusão. No âmbito institucional, criar bolsas, editais e prêmios com foco em mulheres (tanto para cientistas como para divulgadoras). No âmbito da nosso política pessoal diária, promover as mulheres que já estão aí fazendo ciência e divulgação, convidando-as para eventos e ações, dando mais espaço. Tem que ser algo afirmativo, proposital. Não adianta esperar porque não vai ser naturalmente que as pessoas vão passar a prestar mais atenção em mulheres que nos homens – o machismo já é muito enraizado!

 

Por João Gabriel Castro, estagiário de Jornalismo da CCS

 


Postado em 13/05/2020 - 16:25

Notícias Relacionadas

Para cuidar melhor das áreas protegidas
Acesse o website da UFRRJ para o período de pandemia
Pesquisa da UFRRJ investiga papel de farmacêuticos no combate à Covid-19
Estudo da UFRRJ avalia impacto das medidas de auxílio emergencial sobre a economia do país
Tremor de terra em Seropédica não deve preocupar moradores

Últimas Notícias

Skip to content