Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages
Portal UFRRJ > INSTITUCIONAL > Notícia Destaque > Direto do campo para a mesa

Direto do campo para a mesa

Em Nova Iguaçu, programa de extensão impulsiona vendas diretas de produtos agroecológicos, além de incluí-los nas refeições servidas para os estudantes

Por Michelle Carneiro (CCS/UFRRJ)

Comercialização sustentável. Feira de Agricultura Familiar no IM promove produtos agroecológicos e beneficia produtores locais

O programa de extensão de Fortalecimento da Agricultura Familiar na UFRRJ, coordenado pelas docentes Anelise Dias
e Nidia Majerowicz, ampliou sua atuação no câmpus Nova Iguaçu e desempenha importante papel para o fomento da  produção agrícola familiar na Baixada Fluminense, além da promoção do consumo local e consciente de alimentos agroecológicos.

A partir de maio, o Restaurante Universitário (RU) do câmpus Nova Iguaçu inclui em seu cardápio diário alimentos agroecológicos. A iniciativa é resultado da primeira compra de produtos da agricultura familiar para o câmpus, viabilizada graças à participação da UFRRJ no Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) do governo federal.

Aipim, banana–prata e inhame cultivado por agricultoras de Paracambi serão utilizados no RU, que atende discentes de graduação e de pós-graduação regularmente matriculados na Universidade e chega a servir mil refeições diariamente. A
novidade foi recebida com entusiasmo pelo aluno do 9º período do curso de Direito, Lucas dos Santos Figueredo. “É uma
ótima oportunidade para esses agricultores e, também, para os alunos consumirem alimentos desse estilo”, afirmou.

Na mesa do estudante. Restaurante Universitário do câmpus Nova Iguaçu vai incluir alimentos agroecológicos em seu cardápio diário

“Com esta ação, a Rural oferece aos estudantes uma alimentação nutricionalmente adequada e segura do ponto de vista microbiológico, dentro do espaço em que estudam e por um valor subsidiado”, explica Elaine Ibrahim, nutricionista do RU e integrante da comissão de aquisição de produtos da agricultura familiar para o câmpus. “É uma diferença enorme: compramos um produto agroecológico, mais fresco e mais barato do que aquele vendido no mercado, até porque compramos direto do produtor”, complementa.

Na chamada pública divulgada em janeiro de 2019, a Universidade priorizou a participação de agricultores familiares do município de Nova Iguaçu; produtores orgânicos; comunidades tradicionais, quilombolas ou indígenas; assentamentos da reforma agrária; e de grupos de mulheres.

Além de aipim, banana-daterra, banana-prata climatizada, batata-doce, inhame, pepino e quiabo, a previsão para a próxima chamada é a inclusão de polpas de frutas e plantas alimentícias não convencionais (PANCs), como taioba e ora-pro-nóbis. “Valorizamos as plantas da região, para que os alunos tenham acesso a uma alimentação nutritiva, saudável e que seja daqui. É importante que conheçam os alimentos cultivados em nossa região”, explica Elaine Ibrahim.

A legislação atual estabelece que órgãos e entidades da administração pública federal destinem um percentual mínimo de 30% dos recursos orçamentários para a aquisição de alimentos a produtos da agricultura familiar. Os produtores individuais podem realizar vendas de até R$ 20 mil. Participam agricultores e suas organizações, enquadrados na Lei 11.326/2006 com Declaração de Aptidão ao Programa Nacional de Agricultura Familiar.

Comercialização de cestas impulsiona vendas

Na Feira de Agricultura Familiar (FAF), a comercialização de cestas impulsiona a venda de produtos agroecológicos. O objetivo é integrar produtores e consumidores, ao propor uma nova forma de comercialização que seja sustentável do ponto de vista ecológico, econômico e social.

“Essa é uma forma de estimular as pessoas a se organizarem melhor para conseguir comprar os produtos. Também é uma forma de divulgar mais o projeto. Abre-se espaço para um diálogo sobre consumo consciente, sobre a importância da aquisição das cestas, sobre como a compra direta pode fortalecer a agricultura familiar, enfim, são só vantagens”, explica Renata Bravin, residente de Agronomia do Instituto Multidisciplinar (IM).

Consumo consciente. Encomenda semanal de cestas traz benefícios a agricultores e consumidores.

Para viabilizar a encomenda das cestas, foi realizado um levantamento de todos os produtos oferecidos pelos nove agricultores participantes do projeto. Além de frutas, verduras e legumes, as cestas podem incluir pães artesanais, queijo,
geleias e compotas. Esta listagem é divulgada semanalmente nas redes sociais do projeto e fica disponível online, em uma
planilha do GoogleDocs. O valor mínimo para compra é de R$ 40.

Os agricultores são beneficiados ao ter acesso a um comércio com preço justo, livre de atravessadores; recebem estímulo para produzir e ofertar uma maior diversidade de alimentos; são incentivados a produzir de forma agroecológica,  respeitando os ciclos da natureza e a época de cultivo, garantindo sempre alimentos saudáveis e livres de agrotóxicos.

Com sua renda familiar exclusiva da agricultura familiar, Rosangela Mangili, de 57 anos, produtora de Queimados, está com grande expectativa para a comercialização das cestas. “Serão mais pessoas consumindo nossos produtos e divulgando melhor o que a gente produz”, afirma.

Os consumidores têm a garantia de adquirir alimentos seguros e saudáveis, produzidos na região; podem acessar maior
diversidade alimentos que não são encontrados facilmente nas prateleiras de supermercados; saberão quando, onde e por
quem foi produzido seu alimento; e contribuem para o consumo consciente e para um mundo mais justo e sustentável.

Elisangela Cardoso, técnica-administrativa do Departamento de Geografia (DeGeo/IM) é frequentadora assídua da Feira. “Eu confio na qualidade dos produtos por serem de agricultura familiar. Prefiro comprar aqui a comprar na feira perto da minha casa”, conta. Já Valéria Aragão, funcionária do Departamento de Ciência da Computação (DCC/IM), menciona o aumento na variedade de produtos oferecidos. “A Feira está ainda melhor do que no ano passado”, afirma.

Parceria

São parceiros do programa de extensão de Fortalecimento da Agricultura Familiar na UFRRJ: a Emater-Rio, a Embrapa-Agrobiologia, a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro (Pesagro-Rio), o Instituto de Terras e Cartografia do Estado do Rio de Janeiro (Iterj), a Prefeitura Municipal de Nova Iguaçu, o Grupo de Agricultura Ecológica (GAE/UFRRJ), a Associação Erva Doce, a Feira da Roça e a Agribio Defensivos Alternativos.

#VemPraFeira

Câmpus Nova Iguaçu:
Terças-feiras, das 10h às 15h.
E-mail: fafufrrj.im@gmail.com
Facebook: @fafufrrjim
Instagram: @fafufrrj_im
Whatsapp – Grupo de encomendas da cesta: http://bit.ly/2DAk1bg

Câmpus Seropédica:
Quartas-feiras, das 8h às 12h.
E-mail: fafrural@gmail.com
Facebook: Feira da Agricultura Familiar – UFRRJ Seropédica
Instagram: @feiraufrrj

Câmpus Três Rios:
Quartas-feiras, a partir das 17h.

Publicado originalmente no Rural Semanal 03/2019.


Postado em 02/05/2019 - 11:57

Notícias Relacionadas

Curso leva esperança de futuro melhor para jovens do campo

O ano da Fazendinha

Fazendinha recebe Prêmio Crea-RJ de Meio Ambiente 2018

Aquisição de alimentos da agricultura familiar é tema de mesa redonda

Professores e alunos da UFRRJ visitam Unidade Agroecológica de Maricá-RJ

Últimas Notícias